Tuesday, December 9, 2014

A vida em Júpiter

Convidamos você a se maravilhar, assim como nós, com a leitura abaixo, sobre o planeta Júpiter, de texto extraído da Revista Espírita, Ano I, Março de 1858, no 3, sob a competência intelectual e moral de Allan Kardec. 

Fraternalmente,

Refletindo o Espiritismo




Júpiter e alguns outros Mundos16

De todos os planetas, o mais adiantado sob todos os aspectos é Júpiter. É o reino exclusivo do bem e da justiça, porquanto só tem Espíritos bons. Pode fazer-se uma idéia do estado feliz de seus habitantes pelo quadro que demos de um mundo habitado apenas por Espíritos da segunda ordem.

A superioridade de Júpiter não está somente no estado moral de seus habitantes; está também na sua constituição física. Eis a descrição que nos foi dada desse mundo privilegiado, onde encontramos a maior parte dos homens de bem que honraram nossa Terra por suas virtudes e talentos. A conformação do corpo é mais ou menos a mesma daqui, porém é menos material, menos denso e de uma maior leveza específica. Enquanto rastejamos penosamente na Terra, o habitante de Júpiter transporta-se de um a outro lugar, deslizando sobre a superfície do solo, quase sem fadiga, como o pássaro no ar ou o peixe na água. Sendo mais depurada a matéria de que é formado o corpo, dispersa-se após a morte sem ser submetida à decomposição pútrida. Ali não se conhece a maioria das moléstias que nos afligem, sobretudo as que se originam dos excessos de todo gênero e da devastação das paixões. A alimentação está em relação com essa organização etérea; não seria suficientemente substancial para os nossos estômagos grosseiros, sendo a nossa por demais pesada para eles; compõe-se de frutos e plantas; de alguma sorte, aliás, a maior parte eles a haurem no meio ambiente, cujas emanações nutritivas aspiram. A duração da vida é, proporcionalmente, muito maior que na Terra; a média eqüivale a cerca de cinco dos nossos séculos; o desenvolvimento é também muito mais rápido e a infância dura apenas alguns de nossos meses.

Sob esse leve envoltório, os Espíritos se desprendem facilmente e entram em comunicação recíproca apenas pelo pensamento, sem, todavia, excluir a linguagem articulada; para a maior parte deles, também, a segunda vista é uma faculdade permanente; seu estado normal pode ser comparado ao de nossos sonâmbulos lúcidos; eis por que se nos manifestam mais facilmente do que os encarnados nos mundos mais grosseiros e mais materiais. A intuição que têm do seu futuro, a segurança dada por uma consciência isenta de remorsos fazem que a morte não lhes cause nenhuma apreensão; vêem-na chegar sem temor e como simples transformação.

Os animais não estão excluídos desse estado progressivo, sem se aproximarem, contudo, daquele do homem; seu corpo, mais material, prende-se à terra, como os nossos. Sua inteligência é mais desenvolvida que a dos nossos animais; a estrutura de seus membros presta-se a todas as exigências do trabalho; são encarregados da execução de obras manuais: são os serviçais e os operários; as ocupações dos homens são puramente intelectuais. Para os animais o homem é uma divindade tutelar que jamais abusa do poder para os oprimir.

Quando se comunicam conosco, os Espíritos que habitam Júpiter geralmente sentem prazer em descrever o seu planeta; ao se lhes pedir a razão, respondem que o fazem com o fito de nos inspirarem o amor do bem, com a esperança de lá chegarmos um dia. Foi com essa intenção que um deles, que viveu na Terra com o nome de Bernard Palissy, célebre oleiro do século XVI, ofereceu-se espontaneamente, sem que ninguém lho pedisse, para elaborar uma série de desenhos, tão notáveis por sua singularidade quanto pelo talento de execução, destinados a dar-nos a conhecer, até nos menores detalhes, esse mundo tão estranho e tão novo para nós. Alguns retratam personagens, animais, cenas da vida privada; os mais impressionantes, porém, são os que representam habitações, verdadeiras obras-primas de que coisa alguma na Terra nos poderia dar uma idéia, porque em nada se assemelham ao que conhecemos; é um gênero de arquitetura indescritível, tão original e, entretanto, tão harmoniosa, de uma ornamentação tão rica e tão graciosa que desafia a mais fecunda imaginação. O Sr. Victorien Sardou, jovem literato de nossas relações, cheio de talento e de futuro, mas de forma alguma desenhista, serviu-lhe de intermediário. Palissy prometeu-nos uma série de desenhos que, de certo modo, será a monografia ilustrada desse mundo maravilhoso. Esperamos que essa curiosa e interessante coletânea, sobre a qual voltaremos em artigo especial consagrado aos médiuns desenhistas, possa um dia ser liberada ao público.

O planeta Júpiter, apesar do quadro sedutor que nos foi dado, não é, absolutamente, o mais perfeito dos mundos. Outros há, desconhecidos para nós, que lhe são muito superiores, do ponto de vista físico e moral, e cujos habitantes gozam de felicidade ainda mais perfeita; são a morada dos Espíritos mais elevados, cujo etéreo envoltório nada mais tem das propriedades conhecidas da matéria. Já nos perguntaram diversas vezes se pensamos que a condição do homem terreno seria um obstáculo absoluto à sua passagem, sem intermediário, da Terra para Júpiter. A todas as

perguntas que dizem respeito à Doutrina Espírita, jamais respondemos conforme nossas próprias idéias, contra as quais estamos sempre em guarda. Limitamo-nos a transmitir o ensino que nos é dado pelos Espíritos, não os aceitando de forma leviana e com irrefletido entusiasmo. À pergunta acima respondemos claramente, porque tal é o sentido formal de nossas instruções e o resultado de nossas próprias observações: Sim; deixando a Terra, pode o homem ir imediatamente a Júpiter, ou a outro mundo análogo, pois que não é o único dessa categoria. Pode-se ter certeza disso? Não. Contudo poderá ele ir, visto haver na Terra, embora em pequeno número, Espíritos muito bons e suficientemente desmaterializados para não se sentirem deslocados num mundo onde o mal não tem acesso. Não há certeza, porque o homem pode iludir-se sobre o seu mérito pessoal ou tem que cumprir, alhures, outra missão. Seguramente, os que podem esperar esse favor não são os egoístas, nem os ambiciosos, nem os avarentos, nem os ingratos, nem os ciumentos, nem os orgulhosos, nem os vaidosos, nem os hipócritas, nem os sensuais ou qualquer daqueles que se deixaram dominar pelo apego aos bens terrestres; a esses, serão necessárias, talvez, longas e rudes provas. Isso depende da sua vontade.

Conversas Familiares de Além-Túmulo - Bernard Palissy (9 de março de 1858)

Descrição de Júpiter

Nota: Sabíamos, por evocações anteriores, que Bernard Palissy, o célebre oleiro do século XVI, habita Júpiter. As respostas seguintes confirmam, por todos os pontos, o que em diversas ocasiões nos foi dito sobre esse planeta, por outros Espíritos e através de diferentes médiuns. Pensamos que serão lidas com interesse, a título de complemento do quadro que traçamos em nosso último número.

Fato notável, a identidade que apresentam com as descrições anteriores é, no mínimo, uma presunção de exatidão.

1. Onde te encontraste ao deixares a Terra?
Resp. – Nela ainda me demorei.
2. Em que condições estavas aqui?
Resp. – Sob os traços de uma mulher amorosa e devotada; era apenas uma missão.
3. Essa missão durou muito?
Resp. – Trinta anos.
4. Lembra-te do nome dessa mulher?
Resp. – É obscuro.
5. A estima em que são tidas tuas obras te agrada? E isso te compensa dos sofrimentos que suportaste?
Resp. – Que me importam as obras materiais de minhas mãos? O que me importa é o sofrimento que me elevou.
6. Com que objetivo traçaste, pelas mãos do Sr. Victorien Sardou, os desenhos admiráveis que nos deste sobre o planeta Júpiter, onde habitas?
Resp. – Com o fim de inspirar o desejo de vos tornardes melhores.
7. Desde que vens com freqüência a esta Terra que habitaste tantas vezes, deves conhecer bastante o seu estado físico e moral para que possas estabelecer uma comparação entre ela e Júpiter; rogamos-te, pois, nos esclareças sobre diversos pontos.
Resp. – Ao vosso globo venho apenas como Espírito; o Espírito não tem mais sensações materiais.

Estado físico do globo

8. Pode-se comparar a temperatura de Júpiter à de uma de nossas latitudes?
Resp. – Não; ela é suave e temperada; sempre igual, enquanto a vossa varia. Lembrai dos Campos Elísios que vos foram descritos.
9. O quadro que os Antigos nos deram dos Campos Elísios resultaria do conhecimento intuitivo que possuíam de um mundo superior, tal como Júpiter, por exemplo?
Resp. – Do conhecimento positivo; a evocação permanecia nas mãos dos sacerdotes.
10. A temperatura varia segundo as latitudes, como na Terra?
Resp. – Não.
11. Conforme nossos cálculos, o Sol deve aparecer aos habitantes de Júpiter sob um ângulo muito pequeno e, em conseqüência, dar-lhes pouca luz. Podes dizer-nos se a intensidade da luz é ali igual à da Terra ou se é menos forte?
Resp. – Júpiter é envolvido por uma espécie de luz espiritual que mantém relação com a essência de seus habitantes. A luz grosseira de vosso Sol não foi feita para eles.
12. Há uma atmosfera?
Resp. – Sim.
13. A atmosfera de Júpiter é formada dos mesmos elementos que a atmosfera terrestre?
Resp. – Não; os homens não são os mesmos; suas necessidades mudaram.
14. Existem água e mares?
Resp. – Sim.
15. A água é formada dos mesmos elementos que a nossa?
Resp. – Mais etérea.
16. Há vulcões?
Resp. – Não; nosso globo não é atormentado como o vosso; lá, a Natureza não teve suas grandes crises; é a morada dos bem-aventurados; nele, a matéria mal existe.
17. As plantas têm analogia com as nossas?
Resp. – Sim, mas são mais belas.

Estado físico dos habitantes

18. A conformação do corpo dos habitantes guarda relação com o nosso?
Resp. – Sim, é a mesma.
19. Podes dar-nos uma idéia de sua estatura, comparada à dos habitantes da Terra?
Resp. – Grandes e bem proporcionados. Maiores que os vossos maiores homens. O corpo do homem é como o molde de seu Espírito: belo, onde ele é bom; o envoltório é digno dele: não é mais uma prisão.
20. Lá os corpos são opacos, diáfanos ou translúcidos?
Resp. – Há uns e outros. Uns têm tal propriedade; outros têm outra, conforme sua destinação.
21. Concebemos isso para os corpos inertes, mas nossa questão refere-se aos corpos humanos.
Resp. – O corpo envolve o Espírito sem o ocultar, como um tênue véu lançado sobre uma estátua. Nos mundos inferiores o invólucro grosseiro oculta o Espírito a seus semelhantes; mas os bons nada têm a esconder: podem ler no coração uns dos outros. Que aconteceria se assim fosse na Terra?
22. Há sexos diferentes?
Resp. – Sim; há sexo por toda parte onde existe a matéria; é uma lei da matéria.
23. Qual a base da alimentação dos habitantes? É animal e vegetal, como aqui?
Resp. – Puramente vegetal; o homem é o protetor dos animais.
24. Foi-nos dito que eles absorvem uma parte de sua alimentação do meio ambiente, do qual aspiram as emanações; isso é exato?
Resp. – Sim.
25. Comparada à nossa, a duração da vida é mais longa ou mais curta?
Resp. – Mais longa.
26. Qual é a duração média da vida?
Resp. – Como medir o tempo?
27. Não podes tomar um de nossos séculos por termo de comparação?
Resp. – Creio que mais ou menos cinco séculos.
28. O desenvolvimento da infância é proporcionalmente mais rápido que o nosso?
Resp. – O homem conserva a sua superioridade; a infância não comprime sua inteligência nem a velhice a extingue.
29. Estão os homens sujeitos a doenças?
Resp. – Não estão sujeitos aos vossos males.
30. A vida está dividida entre a vigília e o sono?
Resp. – Entre a ação e o repouso.
31. Poderias dar-nos uma idéia das diversas ocupações dos homens?
Resp. – Seria preciso dizer muito. Sua principal ocupação é encorajar os Espíritos que habitam os mundos inferiores a perseverarem no bom caminho. Não havendo entre eles infortúnio a aliviar, vão procurá-los onde existe sofrimento; são os Espíritos bons que vos sustentam e vos atraem ao bom caminho.
32. Ali se cultivam certas artes?
Resp. – Lá elas são inúteis. As vossas artes são brinquedos que distraem vossas dores.
33. A densidade específica do corpo humano permite-lhe transportar-se de um lugar a outro, sem ficar, como aqui, preso ao solo?
Resp. – Sim.
34. Experimenta-se ali o tédio e o desgosto da vida?
Resp. – Não; o desgosto da vida não provém senão do desprezo de si mesmo.
35. Sendo menos denso do que os nossos, o corpo dos habitantes de Júpiter é formado de matéria compacta e condensada, ou de matéria vaporosa?
Resp. – Compacta para nós; mas não o seria para vós: é menos condensada.
36. O corpo, considerado como feito de matéria, é impenetrável?
Resp. – Sim.
37. Seus habitantes têm uma linguagem articulada, como a nossa?
Resp. – Não; entre eles há comunicação de pensamentos.
38. A segunda vista é, como nos disseram, uma faculdade normal e permanente entre vós?
Resp. – Sim, o Espírito não tem entraves; nada se lhe oculta.
39. Se ao Espírito nada se oculta, conhece, pois, o futuro? Referimo-nos aos Espíritos encarnados em Júpiter.
Resp. – O conhecimento do futuro depende da perfeição do Espírito; tem menos inconvenientes para nós do que para vós; é-nos mesmo necessário, até certo ponto, para a realização das missões que devemos executar; mas, daí a dizer que conhecemos o futuro, sem restrição, seria colocar-nos na mesma posição que Deus.
40. Podeis revelar-nos tudo quanto sabeis sobre o futuro?
Resp. – Não; esperai até que tenhais merecido sabê-lo.
41. Comunicai-vos com os outros Espíritos mais facilmente do que o fazeis conosco?
Resp. – Sim! sempre: não existe mais a matéria entre eles e nós.
42. A morte inspira o horror e o pavor que provoca entre nós?
Resp. – Por que seria apavorante? O mal já não existe entre nós. Só o mau encara o seu último momento com pavor: ele teme o seu juiz.
43. Em que se transformam os habitantes de Júpiter após a morte?
Resp. – Crescem sempre em perfeição, sem mais terem que sofrer provas.
44. Não haverá, em Júpiter, Espíritos que se submetam a provas para cumprirem uma missão?
Resp. – Sim, mas não se trata mais de uma prova; só o amor do bem os leva a sofrer.
45. Podem falir em suas missões?
Resp. – Não, visto que são bons; não há fraqueza senão onde há defeito.
46. Poderias nomear alguns dos Espíritos habitantes de Júpiter que cumpriram uma grande missão na Terra?
Resp. – São Luís.
47. Poderias indicar outros?
Resp. – Que vos importa? Há missões desconhecidas que não têm por objetivo senão a felicidade de um só; são, por vezes, maiores: e são mais dolorosas.

Os animais

48. O corpo dos animais é mais material que o dos homens?
Resp. – Sim; o homem é o rei, o Deus terrestre.
49. Entre os animais há os que são carnívoros?
Resp. – Os animais não se estraçalham entre si; vivem todos submetidos ao homem, amando-se mutuamente.
50. Mas não haverá animais que escapem à ação do homem, como os insetos, os peixes, os pássaros?
Resp. – Não; todos lhe são úteis.
51. Disseram-nos que os animais são os servidores e os operários que executam os trabalhos materiais, constroem as habitações, etc; isso é verdade?
Resp. – Sim; o homem não se rebaixa mais para servir ao seu semelhante.
52. Os animais servidores estão ligados a uma pessoa ou a uma família, ou são tomados e trocados à vontade, como aqui?
Resp. – Todos se ligam a uma família particular; mudais mais, para achar um melhor.
53. Vivem os animais servidores em estado de escravidão ou de liberdade? São uma propriedade ou podem mudar de dono à vontade?
Resp. – Eles lá se encontram em estado de submissão.
54. Os animais trabalhadores recebem uma remuneração qualquer por seus esforços?
Resp. – Não.
55. As faculdades dos animais desenvolvem-se por uma espécie de educação?
Resp. – Eles o fazem por si mesmos.
56. Os animais têm uma linguagem mais precisa e mais caracterizada que a dos animais terrestres?
Resp. – Certamente.

Estado moral dos habitantes

57. As habitações de que nos deste uma amostra por teus desenhos estão reunidas em cidades, como aqui?
Resp. – Sim; os que se amam se reúnem; só as paixões estabelecem a solidão em torno do homem. Se, ainda mau, procura este seu semelhante, que para ele não é senão um instrumento de dor, por que o homem puro e virtuoso fugiria do seu irmão?
58. Os Espíritos são iguais ou de diferentes graduações?
Resp. – De diversos graus, mas da mesma ordem.
59. Rogamos que te reportes à escala espírita que demos no segundo número da Revista, e que nos digas a que ordem pertencem os Espíritos encarnados em Júpiter.
Resp. – Todos bons, todos superiores; por vezes o bem desce até o mal; mas o mal jamais se mistura ao bem.
60. Os habitantes formam diferentes povos, como na Terra?
Resp. – Sim; mas todos se unem entre si pelos laços do amor.
61. Sendo assim, as guerras são desconhecidas?
Resp. – Pergunta inútil.
62. Na Terra poderá o homem alcançar suficiente grau de perfeição que o isente das guerras?
Resp. – Seguramente alcançará; a guerra desaparecerá com o egoísmo dos povos e à medida que compreenderem melhor a fraternidade.
63. Os povos são governados por chefes?
Resp. – Sim.
64. Em que se baseia a autoridade dos chefes?
Resp. – No seu grau superior de perfeição.
65. Em que consiste a superioridade e a inferioridade dos Espíritos em Júpiter, considerando-se que todos são bons?
Resp. – Eles têm maior ou menor cabedal de conhecimentos e experiência; depuram-se, à medida que se esclarecem.
66. Como na Terra, há povos mais ou menos avançados do que outros?
Resp. – Não; mas os há em diversos graus.
67. Se o povo mais avançado da Terra se visse transportado para Júpiter, que posição ocuparia?
Resp. – A dos vossos macacos.
68. Lá os povos são governados por leis?
Resp. – Sim.
69. Há leis penais?
Resp. – Não há mais crimes.
70. Quem faz as leis?
Resp. – Deus as faz.
71. Há ricos e pobres, isto é, homens que vivem na abundância e no supérfluo, e outros a quem falta o necessário?
Resp. – Não; todos são irmãos; se um possuísse mais que o outro, com este dividiria; não seria feliz quando seu irmão se privasse do necessário.
72. De acordo com isso, as fortunas seriam iguais para todos?
Resp. – Eu não disse que todos sejam ricos no mesmo grau; perguntastes se haveria os que possuem o supérfluo e outros a quem faltasse o necessário.
73. Essas duas respostas nos parecem contraditórias; Pedimos que estabeleças a concordância entre elas.
Resp. – A ninguém falta o necessário; ninguém possui o supérfluo, ou seja, a fortuna de cada um está em relação com a sua condição. Estais satisfeitos?
74. Agora compreendemos; mas perguntamos, ainda, se aquele que tem menos não é infeliz, relativamente àquele que tem mais?
Resp. – Não pode ser infeliz, desde que não é invejoso nem ciumento. A inveja e o ciúme fazem mais infelizes que a miséria.
75. Em que consiste a riqueza em Júpiter?
Resp. – Que vos importa?
76. Há desigualdades sociais?
Resp. – Sim.
77. Sobre o que se fundam tais desigualdades?
Resp. – Sobre as leis da sociedade. Uns são mais ou menos avançados em perfeição. Os que são superiores exercem sobre os outros uma espécie de autoridade, como um pai sobre os filhos.
78. As faculdades do homem se desenvolvem pela educação?
Resp. – Sim.
79. Pode o homem adquirir bastante perfeição na Terra para merecer passar imediatamente a Júpiter?
Resp. – Sim, mas na Terra o homem é submetido a imperfeições, a fim de estar em relação com os seus semelhantes.
80. Quando um Espírito que deixa a Terra deve reencarnar-se em Júpiter, fica errante durante algum tempo até encontrar o corpo ao qual deverá se unir?
Resp. – Ele o é durante certo tempo, até que se tenha liberado das imperfeições terrestres.
81. Há várias religiões?
Resp. – Não; todos professam o bem e todos adoram um único Deus.
82. Há templos e um culto?
Resp. – Por templo há o coração do homem; por culto, o bem que ele faz.

REVISTA ESPÍRITA
Jornal de Estudos Psicológicos
Contém: O relato das manifestações materiais ou inteligentes dos Espíritos, aparições, evocações, etc., bem como todas as notícias relativas ao Espiritismo. – O ensino dos Espíritos sobre as coisas do mundo visível e do invisível; sobre as ciências, a moral, a imortalidade da alma, a natureza do homem e o seu futuro. – A história do Espiritismo na Antigüidade; suas relações com o magnetismo e com o sonambulismo; a explicação das lendas e das crenças populares, da mitologia de todos os povos, etc.
Publicada sob a direção de ALLAN KARDEC
Todo efeito tem uma causa. Todo efeito inteligente tem uma causa inteligente. O poder da causa inteligente está na razão da grandeza do efeito.
ANO PRIMEIRO – 1858
TRADUÇÃO DE EVANDRO NOLETO BEZERRA
FEB

28 comments:

  1. Valiosíssima matéria, Gahbi. Muito obrigado.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Agradecemos a visita e a apreciação amigo Marcio!
      Todas as edições da Revista Espírita são verdadeiras fontes divinas de estudo para o nosso crescimento!
      Abraços fraternos!

      Delete
  2. As novas descobertas da NASA sobre jupter, revelas que não há possibilidade alguma d e vida e desmascaram totalmente essas descrições aí. eu acreditava. estou frutado. è tudo mentira;(

    ReplyDelete
    Replies
    1. como ES pequeno seu pensamento em acreditar em uma agencia que esconde a própria pele! oque foi dito ai foi um mero conhecimento do vasto mundo que é jupiter, afinal, ninguém entrou la para descobrir a verdade, ate porque... você precisaria estar em outra dimensão para conseguir ver

      Delete
    2. Precisa estudar mais. Os nossos equipamentos vao ao espaço programados para buscar vida dentro dos moldes que a conhecemos.. E com certeza a vida la acontece em outra dimensão, então, as nossas maquinas nunca irão captar.. Assim como tua camara fotográfica não capta is espíritos q vivem ao teu redor. Entendeu?

      Delete
    3. Amigo, a vida a que que a NASA se refere é a vida material como conhecemos na Terra.
      A vida informada na matéria acima é de outra matéria menos densa e mais leve.
      Trata-se de outra dimensão.

      Delete
  3. Olá Genilson, paz e alegrias!
    Agradecemos a sua visita!
    A NASA ainda não tem a capacidade de desvendar as vidas existentes nos outros planetas, pois são vidas numa dimensão diferente da dimensão terrena, assim como em alguns outros planetas, seus habitantes não são capazes de perceber a vida na dimensão da Terra!
    Abraços fraternos!

    ReplyDelete
  4. 😒😞 Júpiter eh totalmente inabitável. Apenas Europa, uma de suas luas poderá ter alguma possibilidade de vida sendo esta que primitiva ou não.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Genilson, aqui é um site de conteúdo espirita, se não concordas, não aceitas, não contradiga o que desconheces e não tem argumento embasado apenas para impor sua opinião a quem pensa diferente de você.
      Vamos nos respeitar e sugiro amistosamente que procure um lugar onde tenha conceitos mais condizentes ao que acredita e entende.

      Delete
  5. 😒😞 Júpiter eh totalmente inabitável. Apenas Europa, uma de suas luas poderá ter alguma possibilidade de vida sendo esta que primitiva ou não.

    ReplyDelete
    Replies
    1. poderias estudar mais sobre peri espirito! abs

      Delete
  6. Nossos olhos nao exergam outras dimensões , o olho da Nasa é inteiramente Fisico

    ReplyDelete
  7. Ciência é baseada em fatos. Não se deve crer nela, este texto é baseado em crenças, elas não devem se confundir. Até porque o máximo que qualquer cientista pode comprovar é que vida como a que nós conhecemos é inconcebível em outros planetas. Mas não podem comprovar que outras conforações de vida não existam. Isso ainda está fora do nosso conhecimento científico.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Bruno, o espiritismo e a ciencia andam de mão dadas.
      O texto acima não é baseado em crença,trata de matéria diferente da que conhecemos com pesos, medidas diferentes, dimensão diferente e por isso não conhecemos mas se você ler a respeito sob a ótica física e química verá que procede, nós que não entendemos ainda.
      Abraço

      Delete
  8. Será sempre um grande desafio aos nossos cientistas terem qualquer prova ou evidência física de vida inteligente ou humanóides em outros planetas. A inteligência do ser humano ainda é muito limitada para certos conhecimentos que estão fora do alcance. Não haveria lógica alguma em haver tantos planetas e somente a Terra ser habitada. Enfim, são muitas perguntas para poucas respostas, pois o homem nem a tudo tem ou deve ter acesso.

    ReplyDelete
  9. Como somos MACACOS de Júpiter, nossa compreensão de matéria etérica não é suficiente por enquanto. Ainda nos perdemos em prazeres longe do amor e da verdadeira felicidade (ajudar o próximo necessitado), as vezes esquecendo nos de nossa missão.

    Como nos explicaremos aos nossos macacos que tenham que trabalhar, fazer construções avançadas se a compreensão do Universo para eles é limitada, assim como nos na Terra e provavelmente em uma compreensão ainda maior em Júpiter porém também limitada.

    O sentido da vida é a evolução, e ajudar quem esta com dificuldade para evoluir. E para isso, devemos amar as pessoas, os animais e incentivar atitudes como as de Jesus, como as do "Seu João da padaria", da "Maria". Uma boa conversa, um desabafo, um ensinamento. São pequenas atitudes. Mas como teremos compreensão de grandes atos como os de seres de Júpiter? Se por algumas vezes "caímos ao pecado", e deixamos de ver que o nosso mundo ainda é carente.

    Espero ter mais visitas de seres evoluídos como este. E que incentivem cada vez mais e mais a nossa evolução!

    ReplyDelete
  10. This comment has been removed by the author.

    ReplyDelete
  11. Boa tarde,
    Kardec no passado sempre nos proclamou a termos fé raciocinada, à luz da razão.
    Como cientista planetário (geólogo), não posso deixar de comentar inconsistências existentes neste texto, sem entretanto, negar a importância dele.
    Da mesma forma que neste texto, já encontrei inconsistências científicas nas obras básicas, principalmente na Gênese. Por isso, tento acreditar que os erros não estão nos espíritos que nos passam as mensagens, mas no filtro que existe quando a mensagem passa pelo crivo do médium.
    Voltando ao texto de Júpiter, dentre as incosistências vistas, cita-se a comparação dos corpos dos animais naquele planeta, aos nossos corpos densos da Terra. Júpiter não é um planeta sólido e sim um "gigante gasoso". Neste sentido, naõ existe "solo" neste planeta, muito menos "animais" com corpos densos à nossa semelhança, que pudessem andar neste solo...
    Sou espírita, mas acredito que muitas obras espíritas devessem passar pelo crivo científico para serem atualizadas e talvez assim, ganharem crédito entre os materialistas mais ferrenhos.
    Alguns clássicos, como "Os exilados de Capela" chegam a ser anti-científicos, descrevendo coisas absurdas (como a posição geográfica de Atlântida, geologicamente impossível), que fariam Einstein e Darwin arrepiar os cabelos.

    Tomemos cuidados. sejamos espíritas não dogmáticos e tenhamos uma fé realmente baseada na razão!

    Abraços a todos

    ReplyDelete
    Replies
    1. Olá Caio, o que você falou faz sentido. Eu também vejo assim.. Vim aqui apenas para fazer uma observação quanto a Júpiter não ser um planeta sólido. Na verdade os cientista não tem certeza do que há no centro do planeta, apesar de ele ser um gigante gasoso, não se sabe se no centro é gás ou rocha. Nenhuma das 2 opções estão descartadas. O centro do planeta Júpiter poder ser sim rochoso. Mas acredito que nós humanos não temos capacidade de encontrar vida em outra dimensão que não seja a nossa realidade 3D.

      http://veja.abril.com.br/ciencia/por-dentro-do-fantastico-mundo-de-jupiter/ (matéria sobre estudo do planeta Júpiter)

      Delete
  12. Olá, amigos! Poderiam me informar onde estão os desenhos da casa de Palissy e dos aposentos dos animais? No pdf dessa edição da Revista, só mostram a casa de Mozart. Se vocês tiverem a Revista física, está junto com a casa de Mozart ou está em outro ponto e/ou edição? Muito obrigada :)

    ReplyDelete
    Replies
    1. Perdão, de Palissy não, de Zoroastro

      Delete

  13. Ao tentar entender de maneira apenas física (Excluindo as possibilidades de existência espiritual), esta possibilidades de existir vida em Júpiter me parece um tanto fantasiosa, diante disso eu pergunto aos teóricos espiritas com fins apenas de esclarecimento, pois tenho muito apresso pela religião mas não consigo entender a logica de tal questão.
    Qual seria a possibilidade física de isso ser possível ?

    Como poderia existir vida matéria e consciente levando em consideração pontos importantes;


    1- O planeta não tem superfície sólida bem definida, a base de sua atmosfera contem elementos impossíveis para propagação da vida.

    2- A temperatura e a pressão no interior de Júpiter são bastantes elevadas.

    3- O planeta vive em torno a grandes tempestades com ventos de com ventos de até 500 km/h e um diâmetro transversal duas vezes maior do que a Terra.

    Lembrando que nao estou falando de vida em outras dimencoes ou vida espiritual. Pelo que entendi nesse Artigo, me pareceu que existe vida em material nesse Planeta o que acho bastante dificil de acontecer.


    Lembrando que não estou falando de vida em outras dimensões ou vida espiritual.
    Pelo que entendi nesse Artigo, me pareceu que existe vida em materia nesse Planeta o que acho bastante difícil de acontecer.

    Me desculpem se entendi errado, mas peco que me expliquem.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Olá Anderson!

      A vida espiritual também é matéria. Tudo é matéria; o nada não existe. A densidade da matéria é que difere os espíritos encarnados dos desencarnados, ou os espíritos mais elevados dos menos elevados. Em uma das obras de André Luiz (psicografada por Chico Xavier), “Obreiros da Vida Eterna”, há uma passagem no plano espiritual onde um espírito muito elevado, muito mais do que as personagens em questão no livro, pois ele já era “luz” e não tinha a forma humana, precisa se “materializar” para poder se comunicar e se “mostrar” para aqueles espíritos, também desencarnados. Ou seja, mesmo desencarnados, esses espíritos tinham uma matéria muito mais densa do que o espírito mais elevado.
      Sendo assim, sua frase “…de maneira apenas física (excluindo as possibilidades de existência espiritual)” nao tem sentido, pois a existência espiritual também é física; apenas em diferente densidade. No meu entendimento, não podemos separar as duas coisas.
      As obras espíritas também nos dizem que ainda temos um longo caminho a percorrer, até que possamos entender toda a criação de Deus. Suas perguntas são válidas e nós estamos longe de poder explicá-las com 100% de precisão. Porém, pensemos no seguinte: se eu morasse em um planeta sem lagos, rios ou mares, e você – morador do planeta Terra – me dissesse que em seu planeta existem criaturas que habitam os mares (e não podem sair dele, senão morrem), eu diria que isso seria muito fantasioso. Acho que não devemos limitar nossas buscas à outras civilizações apenas à criaturas e condições similares ao que temos no planeta Terra. Isso seria limitar demais o poder e a capacidade do Criador.
      Já ouviu falar no Paradoxo de Fermi? Se ainda não, procure na Internet. É muito interessante. Em linhas gerais, o Paradoxo questiona: Nesse universo infinito, com bilhões de planetas, onde estão todos? Será possível que só a Terra é habitada?
      Seria inocente de nossa parte achar que somos a única civilização inteligente no universo. Concorda? E, na minha opinião, o Paradoxo não tem solução se não nos apoiarmos nas bases do espiritismo. Jesus disse: “Há muitas moradas na casa de meu Pai”. No meu entendimento, quando disse isso, estava confirmando que não somos o único planeta habitado. Longe disso; existem muitos (Milhões? Bilhões? Infinitos?) outros planetas habitados. E, apesar de você não querer misturar as duas coisas, acredito que precisamos também considerar muitas outras dimensões. Se acreditamos em reencarnação, em espírito imortal, em vida após a morte, etc., e que somos influenciados por espíritos desencarnados a todo momento em nossas vidas, não há como não considerarmos outra (ou outras) dimensões. Os olhos de um espírito encarnado não veem o mesmo que os olhos de um espírito desencarnado. Da mesma forma, os olhos de um espírito inferior não vê o mesmo que os olhos de um espírito superior. Mais uma frase de Jesus que, no meu entendimento, confirma as várias dimensões (no mínimo, encarnados X desencarnados): “Meu reino não é deste mundo”.

      Delete
    2. Seguem algumas perguntas muito esclarecedoras de O Livro dos Espíritos:

      57. Não sendo uma só para todos a constituição física dos mundos, seguir-se-á tenham organizações diferentes os seres que os habitam?
      "Sem dúvida, do mesmo modo que no vosso os peixes são feitos para viver na água e os pássaros no ar."
      58. Os mundos mais afastados do Sol estarão privados de luz e calor, por motivo de esse astro se lhes mostrar apenas com a aparência de uma estrela?
      "Pensais então que não há outras fontes de luz e calor além do Sol e em nenhuma conta tendes a eletricidade que, em certos mundos, desempenha um papel que desconheceis e bem mais importante do que o que lhe cabe desempenhar na Terra? Ademais, não dissemos que todos os seres são feitos de igual matéria que vós outros e com órgãos de conformação idêntica à dos vossos."
      As condições de existência dos seres que habitam os diferentes mundos hão de ser adequadas ao meio em que lhes cumpre viver. Se jamais houvéramos visto peixes, não compreenderíamos pudesse haver seres que vivessem dentro d'água. Assim acontece com relação aos outros mundos, que sem dúvida contêm elementos que desconhecemos. Não vemos na Terra as longas noites polares iluminadas pela eletricidade das auroras boreais? Que há de impossível em ser a eletricidade, nalguns mundos, mais abundante do que na Terra e desempenhar neles uma função de ordem geral, cujos efeitos não podemos compreender? Bem pode suceder, portanto, que esses mundos tragam em si mesmos as fontes de calor e de luz necessárias a seus habitantes.
      182. É-nos possível conhecer exatamente o estado físico e moral dos diferentes mundos?
      “Nós, Espíritos, só podemos responder de acordo com o grau de adiantamento em que vos achais. Quer dizer que não devemos revelar estas coisas a todos, porque nem todos estão em estado de compreendê-las e semelhante revelação os perturbaria.”
      À medida que o Espírito se purifica, o corpo que o reveste se aproxima igualmente da natureza espírita. Torna-se-lhe menos densa a matéria, deixa de rastejar penosamente pela superfície do solo, menos grosseiras se lhe fazem as necessidades físicas, não mais sendo preciso que os seres vivos se destruam mutuamente para se nutrirem. O Espírito se acha mais livre e tem, das coisas longínquas, percepções que desconhecemos. Vê com os olhos do corpo o que só pelo pensamento entrevemos.
      Da purificação do Espírito decorre o aperfeiçoamento moral, para os seres que eles constituem, quando encarnados. As paixões animais se enfraquecem e o egoísmo cede lugar ao sentimento da fraternidade. Assim é que, nos mundos superiores ao nosso, se desconhecem as guerras, carecendo de objeto os ódios e as discórdias, porque ninguém pensa em causar dano ao seu semelhante. A intuição que seus habitantes têm do futuro, a segurança que uma consciência isenta de remorsos lhes dá, fazem que a morte nenhuma apreensão lhes cause. Encaram-na de frente, sem temor, como simples transformação.
      A duração da vida, nos diferentes mundos, parece guardar proporção com o grau de superioridade física e moral de cada um, o que é perfeitamente racional. Quanto menos material o corpo, menos sujeito às vicissitudes que o desorganizam. Quanto mais puro o Espírito, menos paixões a miná-lo. É essa ainda uma graça da Providência, que desse modo abrevia os sofrimentos.

      Abraços fraternos!

      Delete

  14. Allan Kardec uma vez disse que se alguma ciencia contradizesse alguma de suas palavras, entao que nos deveriamos ficar com essa ciencia. Aqui eu caminho junto com os astronomos e duvido muito, mas muito mesmo que tenha qualquer tipo de vida Organica em Jupiter. Kardec, embora tenha sido muito inteligente ao abortar as leis espirituais morais da imortalidade da alma, da reencarnacao e da relacao dos espiritos, foi muito deslumbrado e descuidado sempre que ele resolveu falar sobre vida em outras planetas e descricoes astronomicas, ao ponto de ter cometido claros erros cientificos no livro a Geneses, que refletiam o pensamento da epoca, mas hj com os novos conhecimentos q temos, se mostraram obsoletos e ultrapassados.
    Para comeco de conversa meus companheiros, acho muito temeroso e arrogante essa mania que os espiritas tem de agir como se soubessem mais coisa dos planetas e do universo do que os Astronomos que estudaram anos e anos para estarem onde estao. A postura dos espiritas nessa area de conhecimento se torna bem religiosa e mistica e muito pouco cientifica e racional. Uma coisa eh nos como espiritas acreditar que existem outros planetas com vida material. Outra coisa muito diferente eh querer tomar um lugar que nao nos compete. Defender que a vida em outros planetas existe faz parte da filosofia espirita, mas afirmar se existe vida com tal e tal aspecto em planeta A ou B e ainda trazer um monte de detalhes suspeitos, fantasticos e mirabolantes que nao podem ser provados e q nao trazem utilidade nenhuma a nossa vida eh algo que muitas vezes mais prejudica o espiritismo do q ajuda. Descrever e estudar a natureza de outros planetas nao eh um assunto que o Espiritismo deveria tratar. A gente tem que deixar isso para a Astronomia, que eh uma ciencia expecializada pra tratar desses assuntos, mesmo q ela nao tenha os aparelhos mais sofisticados e evoluidos pra descobrir tudo, esse eh a area de estudo dela, o foco dela, e eh a seguranca e a fonte informartiva mais atualizada q temos no momento . E sinceramente, acho muita falacia essa historia de que qualquer coisa fantastica e mirabolante eh possivel de existir na caotica, gasosa e turbulenta atmosfera de jupiter pq "nossos orgaos e sentidos ainda sao muito grosseiros para enxergar". Isso parece apenas uma resposta facil e uma desculpa esfarrapada para uma questao mais seria.
    Uma coisa eh a gente nao conseguir sentir o mundo espiritual. Outra coisa muito diferente eh nao notar a materia. Na epoca de Kardec pouco se sabia sobre a atmosfera e o interior de jupiter, entao muito podia se imaginar e se sonhar sobre ele. Hoje mesmo que nunca ninguem tenha ido ao centro desse planeta, eh muito pouco provavel que ele tenha uma superficie que tenha gerado uma vida Organica no passado, quanto menos suportar uma vida organica, seja em qualquer forma de vida organica que se especule. Nao eh questao de achar que a Terra eh o unico modelo que existe; eh simplesmente seguir um padrao logico. Mesmo com toda diversidade, o universo ainda segue uma lei logica e racional em tudo, inclusive a vida organica e material. Jupiter eh um planeta gasoso, inospito e caotico desde sua formacao. Ora, Seguindo a escala de mundos, ele deveria ter seguido entao uma escala evolutiva como na Terra, nao deveria? Em algum momento ele teria que ter sido um planeta inferior com vida material bruta e seres brutos. Mas como isso seria possivel que seres mais materiais e brutos crescessem em um planeta sem superficie estavel, com uma atmosfera turbulenta? Me desculpe mas isso nao faz o menor sentido.
    Jupiter nao precisa ser habitado para cumprir seu papel e utilidade no universo. Os planetas nao precisam ser todos habitados com vida organica para cumprir sua parte no universo, e isso foi algo que Kardec nao teve a prudencia de notar na epoca.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Adendo


      "Allan Kardec uma vez disse que se alguma ciencia contradizesse alguma de suas palavras e esta ciencia soasse mais logica e racional, entao que nos deveriamos ficar com essa ciencia.****

      Delete
    2. Olá Worm, paz e alegrias!
      Nós respeitamos a sua opinião e crença!
      E sim, Allan Kardec disse que quando a Ciência comprovasse algo diferente em algum ponto do Espiritismo, que deixássemos esse ponto.
      Mas enquanto a Ciência, somente, "contradiz", nós preferimos aguardar. Até hoje o Espiritismo vem no seu tempo certo tendo a comprovação de tudo o que nos ensina. A Ciência contradiz a ela mesma também. Aguardemos!
      Abraços fraternos!

      Delete
  15. Gabriela,
    Muito obrigado pelo seu esclarecimento e simpatia. Agradeço o tempo que utilizou para esclarecer essas questões.
    Irei me aprofundar mais agora.
    Forte abraço.

    ReplyDelete